EXCELÊNCIAS, ACORDEM!

Estamos atravessando um momento de reengenharia na política do nosso País e algumas excelências ainda não perceberam isso. Não dá mais, excelências, para fazer na coisa pública o que fazem em sua privada. Hoje contamos com uma sociedade mais aparelhada, com celulares, com redes sociais, com grupos de WhatsApp, com movimentos apartidários; enfim, com consciência mais patriótica e com visão de mais longo prazo.

As instituições de controle e as polícias estão mais vigilantes, mais atuantes, são cobradas, contam com quadros de pessoal mais abnegado e com sede de justiça e muita vontade de fazer a coisa certa para extirpar o joio do trigo, os ‘malas’ do meio dos justos, banir a cultura patrimonialista para implementar uma administração mais empreendedora, voltada para a qualidade dos processos, para efetividade das políticas públicas e superação das expectativas de sua real excelência, o cidadão, usuário dos serviços públicos e patrão de todos os agentes públicos.

Percebemos que muitos parlamentares ainda insistem na atuação da defesa de seus próprios interesses e de seu grupinho e aí colocam as mãos sujas, cuecas, meias, bolsas etc, nos recursos públicos que deveriam ser destinados à satisfação do BEM COMUM. Outros não roubam, mas também não fazem nada: nenhum discurso, nenhum projeto, nenhuma ação para melhorar a vida das pessoas deste gigante país. O povo até se questiona o que é pior: o que rouba, mas faz ou o que não rouba, mas também não faz NADA.

E os homens de bem, que têm talento, conhecimento, valores e princípios éticos, experiência, não entram no parlamento, porque não sabem mentir, não sabem fazer o jogo sujo da sedução ou da alienação para conquistar votos e serem eleitos ou, então, não possuem recursos financeiros para bancar uma campanha.

E ficamos no ciclo vicioso: os homens de bem não entram e os maus não saem. Salve-nos DEUS, no céu, e SÉRGIO MORO aqui na Terra.

Professor J.W GRANJEIRO

Diretor-Executivo da Escola de Governo do DF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *